Notícias

Destaques  | 07/08/2012 12h53min

Petrobras usa prejuízo para pedir reajuste de combustíveis

Como a estatal importa combustível com valor mais alto do que revende, a defasagem de preços é apontada como um dos fatores do prejuízo

Primeiro prejuízo da Petrobras em mais de uma década, a perda de R$ 1,346 bilhão no segundo trimestre poderá desencadear nova onda de pressões por aumentos nos combustíveis. Na última segunda-feira, 6 de agosto de 2012, a presidente da estatal, Graça Foster, em conferência para analisar o resultado divulgado na sexta-feira, defendeu novamente reajuste no preço da gasolina e do óleo diesel.

Como a estatal importa combustível com valor mais alto do que revende, a defasagem de preços é apontada como um dos fatores do prejuízo. A valorização do dólar em relação ao real no primeiro semestre e a permanência do barril acima de US$ 100 (cotação em Londres) agravaram a situação. Graça afirmou que um novo reajuste já está em debate no conselho de administração da empresa. "Conversamos sobre o reajuste de preços, sim, na busca de 100% da paridade", disse a presidente da estatal.

Recentemente, o governo autorizou aumento de 7,8% no preço da gasolina e de 6% no do diesel, considerados insuficientes para equilibrar as contas da estatal. No caso da gasolina, o aumento não chegou às bombas porque houve eliminação de um tributo. A resistência em permitir novos reajustes estaria ligada à cautela do governo com a inflação e ao temor de desgaste político.

Nos cinco primeiros meses do ano, o déficit comercial da Petrobras com importação de gasolina chegou a US$ 1,4 bilhão, e de óleo diesel, US$ 2,9 bilhões, conforme cálculo da Tendências Consultoria. De acordo com Walter De Vitto, analista do setor de combustíveis da Tendências, a defasagem nos valores no país em relação ao Exterior chega a pelo menos 17%: "O prejuízo no trimestre passado irá reforçar os argumentos da Petrobras para buscar novos aumentos, e é provável que o governo ceda."

Especialistas que acompanham a Petrobras são quase unânimes em projetar alta dos combustíveis nas bombas. Há quem aposte que o aumento gradativo iniciará após as eleições municipais, mas também se projeta alta apenas no início de 2013. "O aumento deve ser inevitável, principalmente se o preço internacional dos combustíveis se mantiver no atual patamar", afirma Valter Bianchi Filho, sócio-diretor da Fundamenta Investimentos.

Projetos são alvos de críticas
Além da defasagem de preços, investimentos pouco produtivos e a linha de gestão da Petrobras estariam prejudicando a empresa. Conforme analistas do setor, por muitos anos a estatal sofreu com fatores como política industrial e uso como instrumento político-partidário.

"Os prejuízos da Petrobras neste trimestre refletem uma série de políticas equivocadas na gerência da empresa desde 2003, e afloraram agora em função da conjuntura", diz Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE).

Pires critica a obrigatoriedade de compra de conteúdo nacional e parcerias malsucedidas "com interesses político-partidário", como uma com a Venezuela para erguer uma refinaria em Pernambuco.

"Muitos investimentos não rentáveis foram feitos no Exterior nos últimos anos, isso compromete inclusive a exploração do petróleo no pré-sal", afirma Fernando Siqueira, vice-presidente da Associação de Engenheiros da Petrobras.

A chegada de Maria das Graças Foster à presidência, em fevereiro passado, é vista por ambos especialistas como o início de uma gestão mais técnica.

Mercado dá voto de confiança
A desconfiança de investidores quanto à política de gestão da Petrobras estaria prejudicando o desempenho das ações da empresa. Desde a mais recente capitalização da companhia, em setembro de 2010, que motivou a entrada de pequenos investidores com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), as ações já caíram 23%. Carlos Müller, analista da Geral Investimentos, projeta que os títulos da Petrobras ficarão abaixo do Ibovespa neste ano:

"Estamos recomendando que nossos clientes troquem ações Petrobras por opções com mais possibilidade de ganhos. Para quem tem dinheiro do FGTS aplicado na estatal, no entanto, a recomendação é de que mantenha, pois a remuneração do fundo é de apenas 3% ao ano mais Taxa Referencial."

Em 6 de agosto de 2012, após abrir em queda de 5%, as ações da Petrobras reduziram as perdas e fecharam o pregão praticamente estáveis. Os papéis começaram a inverter a curva depois que a presidente da companhia, Graça Foster, expôs os motivos do prejuízo de R$ 1,346 bilhão no segundo trimestre, em conferências com investidores e analistas.



Leia mais:
>> Confaz publica tabela com novos preços de combustíveis
>> Veja dicas para economizar gasolina na hora de dirigir

ERIK FARINA  -  ZERO HORA

Comente esta matéria

Mais Notícias

Mercado automotivo  02/09/2014 16h51min
Venda de veículos tem queda de 7,43% em agosto, aponta Fenabrave
Lançamentos automotivos  02/09/2014 16h15min
Geely lança GC2 no Brasil a partir de R$ 29,9 mil
Lançamentos automotivos  02/09/2014 15h49min
Ford relança Série F de caminhões
Mercado automotivo  02/09/2014 15h09min
Ducati nacionaliza Panigale 1199 com produção em Manaus
Lançamentos automotivos  01/09/2014 12h19min
Mercedes-Benz Sprinter ganha versão com escritório sofisticado
Carros e motos  31/08/2014 07h02min
Marcas aproveitam Expointer para mostrar novidades
© 2012 Pensecarros.com.br. Todos os direitos reservados.
O melhor e mais completo guia de classificados online de veículos da região sul.